JENNIFER HOFFMAN – “COMO AVANÇAR DO CAMINHO DE CURA E REINVENTAR A SUA VIDA” – 28.02.2019

Esta é uma semana de finais enquanto nos preparamos para alguns começos de mudança de vida. Estas são transições que podem ser desafiadoras e perturbadoras, ao mesmo tempo que são gratificantes e esclarecedoras.

Temos algumas grandes escolhas a fazer agora e uma delas é como decidimos permitir, alinhar e integrar a energia de transformação que está diante de nós.


Essa energia de transformação nos coloca no caminho do nosso poder e ter poder significa fazer escolhas que nos capacitam. Nossa maior escolha agora é se continuaremos a ser o Curador Martirizado ou nos tornaremos o Mestre Empoderado.

Por muitas vidas, fomos uma fonte de cura para os outros. Agora podemos nos tornar um exemplo de vida de cura. A outra escolha que emana dessa energia tem a ver com o nosso caminho.

Como o Curador Martirizado estamos nos caminhos de vida dos outros e como Curador Empoderado estamos no caminho da nossa própria vida. Ainda podemos ser um curador, mas de uma perspectiva diferente, uma vida focada em ser e permanecer em nosso próprio poder.

Como eu sempre disse, quando somos o curador, estamos no controle de toda a energia de um relacionamento, porque controlamos a quantidade, o fluxo e o tempo de toda a energia.

Agora estamos sendo solicitados a entrar em um novo paradigma para o caminho da nossa própria vida, aprendendo a ser poderosos, sem nos sentirmos culpados e permanecendo focados nas crenças, pensamentos e ações que expandem nosso poder.

Embora eu geralmente escreva uma mensagem canalizada do Arcanjo Uriel, neste momento Uriel me guiou para este artigo, que eu escrevi há vários anos e que é relevante para o que estamos enfrentando agora.

No artigo desta semana, eu compartilho a história de uma mulher que conheci há muitos anos, cujo trabalho na vida era reparar os danos que outras pessoas causavam em suas roupas.

A mensagem desta história é: colocamos nossos dons, energia, tempo e esforço para curar os outros ou voltamos a concentrar nossos esforços em nossa própria jornada e caminho, tornamo-nos Mestres Empoderados e deixamos que nosso brilho faça o trabalho de cura?

UMA HISTÓRIA SOBRE CURA E PROPÓSITO

Passamos muito tempo sendo fortes e solidários com os outros, garantindo que todos tenham o que precisam para serem curados, completos e íntegros, e nos perguntamos quando é a nossa vez.

Muitos tiveram importantes contratos de alma para cumprir na primeira parte da vida e a cura tem sido o foco através do qual eles são cumpridos.

Através de nossos esforços de cura, ajudamos outras pessoas a liberar seu passado e inventar o futuro, preparando-as para o trabalho de vida que tinham que fazer.

Agora que esse trabalho está concluído, é hora de “nos reinventarmos” de sermos zeladores e apoiadores para sermos fortes, bem-sucedidos e poderosos em nossas próprias vidas.

Como fazemos isso e o que isso significa? É uma pergunta difícil de responder porque significa redefinir a forma como olhamos para nós mesmos e o que fazemos com nosso tempo, energia e dons.

Uma leitora me escreveu uma vez: “Eu nunca criei nada que valha a pena para mim na minha vida. Meu caminho é ajudar os outros a alcançarem o sucesso”.

Ela escreveu que passou a vida empoderando os outros e garantindo o sucesso deles e ela se perguntava quando seria capaz de fazer algo para si mesma.

Ela tem feito algo para si mesma, encontrando alegria no sucesso dos outros. Tenho certeza de que os outros apreciaram a sua ajuda, mas ela pode obter a mesma quantidade de apreciação se estiver alimentando seus próprios sonhos, metas e desejos? Ela também pode ter medo do fracasso e falta de confiança.

Será preciso coragem para transformar esses esforços em sua própria vida, onde, em sua mente, as apostas são maiores, o sucesso não é tão certo, e ela pode descobrir o que sempre temeu, que não é capaz de sucesso ou (eu não acho que seja verdade, mas ela terá que descobrir isso sozinha).

Ela é como alguém que eu conheci há anos, uma mulher que era uma “cerzideira”, ela consertava os buracos nas roupas das pessoas e fazia com que parecessem novas de novo.

Naquela época, tínhamos que usar roupas bonitas (e meia-calça) para trabalhar e eu tinha vários terninhos de lã. Um dia eu vi um pequeno buraco de traça em um dos meus casacos de lã e não queria me livrar do traje por causa de um pequeno buraco.

Alguém sugeriu que eu levasse para uma cerzideira, que iria consertar o buraco por menos do que o custo seria para substituir o traje. Então levei minha jaqueta para a loja dela e ela disse que não seria um problema consertar o buraco e que a jaqueta ficaria nova de novo.

Algumas semanas depois, peguei minha jaqueta lindamente consertada. O buraco da traça desaparecera e parecia novo. Eu perguntei como ela fazia isso e ela me mostrou seu espaço de trabalho e falou sobre sua técnica.

Trabalhando com minúsculas agulhas e uma poderosa lente de aumento, ela pegava fios da bainha e das costuras da peça e os usava para preencher os buracos, combinando com o padrão e para que o tecido parecesse novo.

Ela se orgulhava de seu trabalho e vinha fazendo isso há décadas. Na verdade, ela era muito respeitada e as pessoas de todo o país mandavam as roupas delas para serem consertadas.

Mas o trabalho deixou vestígios em seu corpo. Suas costas ficaram arqueadas por muitos anos curvando-se sobre seu trabalho, suas mãos estavam com artrite e sua visão era ruim. Ela usava óculos grossos e sua pele estava pálida porque ela passava muito tempo dentro de casa.

Eu perguntei por que ela fazia este trabalho e ela disse que seu pai, que era um alfaiate, havia lhe ensinado, dizendo-lhe que as pessoas sempre precisariam de suas roupas consertadas e com essa habilidade ela sempre teria trabalho.

Quando perguntei se ela gostaria de fazer alguma coisa, seus olhos ficaram nebulosos e ela disse que sempre quis ser dançarina. Mas, ela acrescentou que o seu pai não aprovou isso, então ela fez o que ele queria.

Ela nunca perguntou às pessoas como elas arruinavam suas roupas, ela apenas consertava silenciosamente o dano e as mandava de volta parecendo novas de novo.

Fiquei imaginando quantas pessoas apreciaram sua habilidade, perícia e dedicação, se pensavam sobre quanto trabalho levou para consertar o dano que causaram, se foi descuidado ou acidental, ou como a costura ocupou grande parte de sua vida. fazendo isso para os outros.

Quem fez isso por ela? Quem estava lá para ela quando ela precisava cerzir em sua vida?

Ao conhecê-la, ela compartilhou alguns detalhes de sua vida. Ela nunca se casou ou teve filhos, cuidou de seu pai depois que ele ficou viúvo até que ele morreu e ela herdou sua loja. A loja, os clientes e o trabalho eram sua vida.

Eu me perguntei se ela já tinha parado para pensar em como ela tão cuidadosa e meticulosamente consertava as roupas dos outros e se ela algum dia quis se posicionar um dia e decidir que faria outra coisa.

Será que ela alguma vez pensou sobre o quanto ela fazia pelos outros e se perguntou quando chegaria o dia em que era hora de se reinventar e começar a viver sua própria vida?

Podia ter sido tarde demais para ela se tornar uma dançarina, mas ela ainda poderia aprender a dançar.

Embora a cerzideira tenha morrido, eu pensei nela muitas vezes ao longo dos anos. Um de seus presentes para mim, além de consertar meu paletó, foi me lembrar de fazer uma pausa antes de assumir a tarefa de cerzir para os outros.

Isso é algo que eu devo fazer ou posso dar um passo atrás e deixá-los consertar seus “buracos” sozinhos?

Às vezes, os outros precisam aprender a resolver seus próprios problemas, embora eu acredite que possa fazê-lo com muito mais rapidez, facilidade e eficiência. Mas é isso que eu quero fazer e enquanto estou inventando o futuro deles ou reinventando a vida deles, o que está acontecendo com o meu?

É difícil para nós sermos “egoístas” e egocêntricos e temos opiniões negativas sobre esses conceitos, mas o que eles realmente querem dizer é que devemos ter nosso foco em nós mesmos, perguntando o que é bom para nós, questionando como cada situação se aplica ao nosso próprio caminho de vida.

Quando permitimos que o foco de nossas ações esteja conosco primeiro, consideramos nossas necessidades, em vez de nos apressarmos para cuidar dos outros. É uma ótima sensação cerzir a vida de alguém, mas pode se tornar um hábito em que nós caímos e depois não podemos sair.

Temos que lembrar que todos são poderosos – todos temos a mesma fonte de poder, mesmo se não acreditarmos que os outros estão agindo de maneiras muito poderosas ou usando seu poder com muita sabedoria.

Como o comentário da pessoa que cria para os outros o que ela não cria em sua vida, podemos apoiar e encorajar os outros por um tempo, mas devemos eventualmente voltar ao nosso centro e perguntar por que sentimos que devemos fazer pelos outros o que não fazemos por nós mesmos.

Podemos ser os eternos tecelões, consertando os danos, buracos e lacunas dos outros, ou podemos nos reinventar e criar tudo o que queremos em nossas próprias vidas e depois deixar que os outros resplandeçam a luz intensamente.

Isso acontece quando eles estão prontos para também brilhar porque estão prontos para cerzir as suas vidas, reinventarem-se e acreditar que eles merecem e podem ter um novo futuro poderoso e empoderado.

Autor: Jennifer Hoffman Fonte: http://enlighteninglife.com/Facebook: Jennifer HoffmanTradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.brVeja mais Jennifer Hoffman Aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*